Mora entre os testes e o confinamento voluntário em nome da saúde da terra (Com Fotos)

Mora entre os testes e o confinamento voluntário em nome da saúde da terra (Com Fotos)

12 de Agosto, 2020 Não Por João Dinis

A vila de Mora vive por estes dias tempos agitados, depois de a pandemia da Covid-19 ali ter chegado em força, cinco meses depois dos primeiros casos no Vale do Sorraia.

São dezenas as pessoas que estão e vão a ser testadas, só hoje foram cerca de 60, numa sala da Casa do Povo, devidamente preparada para o efeito e para receber as enfermeiras, que um a um vão chamando os contactos realizados com os infectados, que ao dia de hoje, não perceberam ainda como foram infectados.

Nas ruas de Mora vive-se uma aparente calma, interrompida por algumas conversas, que inevitavelmente giram em torno da Covid-19 e da forma como aos poucos Mora regressa a um auto confinamento, com as pessoas a tentarem proteger-se ao máximo, sendo que os que andam na rua ou estão em trabalho, ou saem somente para fazer as suas compras diárias.

Num momento em que as autoridades de saúde seguem o rasto da infecção, suspeitando que a doença poderá ter chegado a Mora por intermédio de uma pessoa que ali esteve em lazer, os Morenses fizeram como que um auto confinamento, em nome da saúde pública da sua terra e da protecção dos seus familiares, vizinhos e amigos.

Os serviços municipais vão estar encerrados, pelo menos até dia 17 de Agosto, mas são também muitos os estabelecimentos comerciais que acompanharam as medidas da autarquia, e encerraram também ao público, sendo que aqueles que se encontram a funcionar, estão em take-away ou a funcionar através de portas e janelas, prestando por aí os seus serviços, sobretudo de bens essenciais, como pão, medicamentos e imprensa.

As esplanadas estão quase desertas, mas ainda assim nota-se que alguns turistas vão passeando pelas ruas de Mora, alheios ao problema levantado pela pandemia nos últimos dias em Mora, continuando as suas visitas ao Museu do Megalitismo ou ao Fluvirário, que continuam a funcionar, com máxima protecção para trabalhadores e visitantes.

Apesar de todo o conhecimento que já vamos tendo sobre a doença pandémica, os Morenses demonstram uma atitude raramente vista sobre a auto protecção, sendo verdadeiros agentes de saúde pública, tentando ao máximo evitar a disseminação da doença pelo seu concelho, que neste momento já afecta 11 pessoas, não sendo ainda conhecidos os resultados dos testes, mais de uma centena, efectuados nas últimas 24 horas.