Camara_Benavente_2

Benavente avança com “Orçamento Participativo” em 2021

24 Novembro 2020, 10:56 Não Por Redacção

A Câmara Municipal de Benavente aprovou a inclusão do “Orçamento Participativo” já a partir de 2021, após proposta do vereador Ricardo Oliveira, da bancada do PSD na autarquia, que pretende assim que a população possa também ter uma palavra a dizer na realização de obras ou projectos no concelho.

Para o Presidente da Câmara Municipal de Benavente, Carlos Coutinho (CDU), “o Orçamento Participativo não pode ser um espaço para enganar as pessoas”, isto é, “não pode ser dado um recurso para depois as pessoas ficarem satisfeitas”, referindo que tem que resultar numa mais valia para o concelho, salientando que para si “fazer política, é fazer de forma consciente”, “e obviamente que as coisas devem acontecer na proporção e na dimensão que elas devem ter.”

Neste momento, e no próximo ano, a autarquia irá focar-se na regulamentação do Orçamento Participativo, sendo que uma das preocupações do Presidente é que o Orçamento Participativo não fique refém de entidades de maior projecção no concelho, pretendendo este que este “deva responder às quatro freguesias que temos.

Apesar de só agora o Município de Benavente ir contemplar o Orçamento Participativo, Carlos Coutinho salienta que todos os orçamentos que tem apresentado vão de encontro às pretensões da população, “os orçamentos não se constroem apenas e só porque os eleitos pensam assim, resultam muito de um diálogo permanente com as populações, com as forças vivas, com as associações e com todos aqueles que são beneficiários desse mesmo investimento”, salienta o autarca, referindo que “isso já era um orçamento com a participação dos nossos munícipes.

Esta questão que estamos a falar (Orçamento Participativo) é diferente”, “portanto é importante que fique claro que não há orçamentos, pelo menos estes da nossa câmara, que não correspondam a um diálogo com a população, com as suas vontades, os seus anseios na sua concretização” esclarece o autarca que conclui afirmando que “os orçamentos participativos são outra coisa, e devem ter a dignidade e o respeito que são devidos para com os nossos munícipes”.