Cultivo de Cannabis em Benavente tem luz verde do Infarmed

3 Março 2020, 12:38 Não Por João Dinis

Cerca de ano e meio depois do Município de Benavente ter anunciado que o concelho poderia vir a receber a implementação de uma empresa produtora de cannabis medicinal, são agora conhecidos desenvolvimentos importantes, que marcam em definitivo o arranque da empresa.

De acordo com a agência Lusa, o Infarmed, Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, emitiu já a autorização para que a empresa VF 1883 Pharmaceuticals, possa efectuar a sua produção no concelho de Benavente.

De acordo com fontes contactadas pelo Notícias do Sorraia, esta empresa irá tornar-se numa das maiores do país a produzir cannabis medicinal, num espaço que contará com cerca de 261 hectares, localizado na Herdade de Porto Seixo, no concelho de Benavente, que irá receber a unidade de produção, que além de dez pavilhões para preparação e armazenamento, seis estufas de produção, uma área técnica e social, contará ainda com um forte dispositivo de segurança e de forte controlo na produção, condição imposta para que a empresa possa produzir a planta com fins medicinais.

A construção das primeiras edificações deverá arrancar até Junho deste ano, contando para isso com o estatuto de Projecto de Interesse Público, que foi decretado pela Câmara Municipal de Benavente, facto que pode acelerar os processos burocráticos necessários ao arranque das obras.

A empresa VF 1883 Pharmaceuticals, é uma empresa portuguesa, sedeada em Lisboa, com ligações a uma empresa canadiana, que instalará agora a sua área produtiva no concelho de Benavente.

Além da empresa VF 1883 Pharmaceuticals, o Infarmed autorizou ainda mais quatro entidades a produzir cannabis medicinal em Portugal, a Tilray Portugal em Cantanhede e Reguengos de Monsaraz, a Terra Verde em Alcochete, a RPK Biopharma em Sintra e Aljustrel e a Sabores Púrpura em Tavira.

Relativamente a pedidos de autorização de colocação no mercado de preparações à base da planta da cannabis para fins medicinais, o Infarmed refere que deram entrada dois pedidos, que se “encontram em avaliação”, informa ainda o Infarmed.

Dado todo o interesse e muito desconhecimento por parte das pessoas, o Infarmed criou um micro-site dedicado à temática, que pode ser acedido em www.infarmed.pt/web/infarmed/canabis-medicinal.

Este tema “tem sido objecto de muito interesse”, principalmente das empresas e entidades que se pretendem dedicar a esta actividade. “Assim, e no ano de 2019, foram respondidos 1.304 pedidos de informação sobre cannabis (14% das respostas dadas pelo Centro de Informação do Infarmed)”, remata o Infarmed em declarações à agência Lusa.


Fotografia: Direitos Reservados