DGS admite que dados de infectados dos concelhos são “mais finos e precisos”

3 Maio 2020, 18:40 Não Por Redacção

A directora-geral de Saúde considerou hoje que os dados recolhidos nos concelhos sobre infectados com covid-19 “são mais finos e precisos”, mas que a nível nacional os números estão “o mais próximos possível da realidade”.

Na conferência de imprensa de hoje, Graça Freitas foi questionada sobre discrepâncias com números de pessoas infectadas com o novo coronavírus, nomeadamente sobre o presidente da Câmara de Ovar, Salvador Malheiro, ter novamente levantado dúvidas à veracidade dos números divulgados pela Direcção-Geral de Saúde (DGS) no sábado, referindo que há mais infectados do que os indicados no boletim.

A directora-geral de Saúde explicou o processo de recolha dos dados, que usa várias plataformas e não é automático, e que também acontece frequentemente que a morada do paciente no registo nacional do utente não corresponde efectivamente ao sítio onde vive, o que pode dar origem a erros.

A directora-geral de Saúde disse, contudo, que ao nível nacional, do país, os “números estão o mais próximos possível da realidade”, uma vez que são os médicos e os laboratórios de análise que notificam dos infectados e é feito o trabalho de juntar as duas bases de dados para não contar duas vezes o mesmo doente.

“Para efeitos de acção, de vigilância epidemiológica, para efeitos de intervenção, os dados do concelho são mais finos e mais precisos do que os nossos. O que nós fazemos no boletim é que, à medida que os concelhos nos vão dando informação, também vamos afinando a nossa e os dados que aparecem no boletim nacional por concelho vão sendo melhorados dia a dia”, afirmou.

Já nos óbitos por covid-19, indicou, tal problema não acontece porque o processo é centralizado e electrónico.

Com Agência Lusa