‘É importante que exista uma monitorização do rio Sorraia para que se eliminem logo os pequenos focos de jacintos e se evitem estas situações…’, afirma autarca de Benavente

5 Setembro 2019, 14:27 Não Por João Dinis

O Presidente da Câmara Municipal de Benavente, Carlos Coutinho, à esquerda na foto, acompanhou esta quarta-feira os trabalhos desenvolvidos pela ceifeira aquática, no Açude do Furadouro, em Moura, congratulando-se com o trabalho desenvolvido pelo equipamento.

Questionado pelo Notícias do Sorraia, sobre a situação e negando que em Benavente a situação esteja controlada, mas sim, a avançar na tentativa de eliminação da praga, Carlos Coutinho salientou que, ‘desde a primeira hora, que temos vindo a tratar disto, não é de agora, já anteriormente com a APA (Agência Portuguesa do Ambiente), estávamos em conversações, no sentido de que seja montado um projecto que permita que a monitorização do rio aconteça e que efectivamente nós possamos eliminar logo de inicio aquilo que são os pequenos focos de jacintos para evitar que nos possamos deparar com situações como esta, em que todo o curso do rio está completamente repleto de jacintos, são dezenas de quilómetros que obviamente põem em causa toda a biodiversidade e aquilo que é a fauna e a flora do próprio rio’, afirmando ainda que esta, ‘é uma responsabilidade que temos todos, principalmente o Ministério do Ambiente, que tem a jurisdição sobre esta área, e eu acredito, é nesse sentido que estamos envolvidos, que para além desta iniciativa de emergência, para que possamos gerir esta situação, que verdadeiramente possamos montar uma operação que permita nos próximos anos, para além de reabilitar o rio, eliminar todos estes focos de pragas que com estas alterações climáticas reúnem todas as condições para de um momento para o outro praticamente taparem completamente o rio.’

‘Nós fizemos filmagens em Julho da situação do rio, na área de Benavente, voltamos a fazer agora e seguramente que teremos aí uma prova real da capacidade que esta planta tem de se desenvolver, que é algo perfeitamente brutal’, afirma o autarca.

Apesar das autarquias estarem na primeira linha do contacto com as populações, Carlos Coutinho salienta que estes trabalhos são da responsabilidade do Ministério do Ambiente, ainda que por razões óbvias os municípios vão estar sempre ao lado do Ministério, mantendo também um papel reivindicativo e activo na preservação do meio ambiente, e do rio Sorraia, que considera ser absolutamente decisivo para presente e para o futuro.