Ecolezíria reconhece falhas e anuncia novos investimentos em veículos, compostores e campanha de sensibilização

28 Outubro 2020, 16:25 Não Por João Dinis

Carlos Coutinho, Presidente do Conselho de Administração da Ecolezíria, empresa intermunicipal que gere a recolha de resíduos sólidos urbanos nos concelhos de Almeirim, Alpiarça, Cartaxo, Coruche e Salvaterra de Magos, reconheceu a necessidade da empresa efectuar algumas remodelações ao seu modelo actual, bem como anunciou novos investimentos na área da gestão e recolha de resíduos sólidos.

Depois da empresa ter sido fortemente criticada por munícipes que viram a sua factura a água subir exponencialmente, tendo em conta que a ‘factura’ dos resíduos é paga proporcionalmente ao consumo de água, existindo mesmo alguns autarcas a juntarem a sua voz a esse protesto, por serem ainda as autarquias que recebem todas as reclamações dos lixos que ficam por recolher ou dos contentores que muitas vezes estão cheios por “dias e dias”, Carlos Coutinho referiu ao Notícias do Sorraia que existiram algumas questões que atrasaram o processo de normalização da empresa, que se queria célere, nomeadamente, “as viaturas que eram muito antigas e com muitos quilómetros, que começaram a dar alguns problemas, que obviamente perturbaram aquilo que se quer num serviço de excelência e esse serviço de excelência passa por aquilo que deve ser a intervenção da Ecolezría, mas também com a colaboração dos próprios munícipes…”, revelando que a empresa realizou já a aquisição de uma nova viatura, estando a decorrer já o concurso público para a aquisição de uma segunda viatura, que este entende que “permitirá ter reunidos os meios necessários para termos uma intervenção em toda a dimensão diferenciada e de qualidade”, uma vez que por ser uma empresa intermunicipal permite até ter um horário mais alargado, o que não acontecia quando eram as autarquias a realizar as recolhas.

Além da aquisição de duas viaturas, Carlos Coutinho revelou ainda que “estamos a proceder à aquisição de um conjunto significativo de contentores, dado que alguns dos que nos foram entregues não estavam nas melhores condições”, anunciando um “investimento na aquisição de 300 contentores”, para melhorar e alargar os circuitos, bem como garantir maior capacidade dos pontos já existentes, evitando assim o acumular de resíduos na zona envolvente dos contentores.

Outra das medidas anunciadas pelo Presidente da Ecolezíria é a diminuição do rácio do número de ecopontos por habitante, passando a existir 1 ecoponto por casa 150 habitantes, estando também a empresa a proceder à compra de diversos ecopontos, que vão depois ser distribuídos pelos locais que necessitem de um maior reforço destes equipamentos, numa operação que pretende que as pessoas possam realizar uma mais eficaz separação de resíduos, sobretudo os recicláveis.

Carlos Coutinho anunciou ainda que a Ecolezíria irá colocar em marcha uma campanha de sensibilização da população, para as questões ambientais, as necessidades de efectuar a separação dos resíduos e a sua acomodação, dando como exemplo que “vamos distribuir cerca de 7.500 compostores, que já adquirimos e que vamos disponibilizar gratuitamente, para aqueles que têm os seus quintais ou logradouros possam eles próprios também fazer a sua reciclagem”, podendo assim cada um destruir o seu lixo orgânico, verdes, entre outros, que podem depois ser reutilizados na pequena agricultura.
Também será efectuada uma campanha de consciencialização das pessoas para a importância de cumprir as regras na deposição e separação dos resíduos, referindo Carlos Coutinho que a empresa pretende melhorar em todas as áreas, acreditando que com as medidas que vão agora entrar em vigor, a que acrescem alguns acertos no aterro e estações de transferência, que visam agilizar todo o processo de deposição dos resíduos, “estamos no caminho certo no sentido de melhorarmos tudo aquilo que diz respeito à recolha e tratamento dos resíduos…