Polícia Judiciária realizou buscas nos Bombeiros de Coruche e investiga protocolo entre Câmara e Associação dos Bombeiros Voluntários. Presidente aguarda com serenidade desfecho do processo

20 Fevereiro 2020, 19:44 Não Por João Dinis

Conforme noticiamos na manhã desta quinta-feira, 20 de Fevereiro, a Polícia Judiciária, esteve no quartel dos Bombeiros Municipais de Coruche, onde realizou buscas, na sequência de denúncias anónimas efectuadas junto do Ministério Público, sobre alegados pagamentos irregulares a bombeiros que realizavam serviço em regime de voluntariado na corporação.

De acordo com o que nos foi possível apurar junto de fontes oficiais dos Bombeiros Municipais de Coruche, os agentes recolheram sobretudo documentação que envolve o protocolo entre a Câmara Municipal de Coruche a Associação dos Amigos do Ambiente, Protecção Civil e Socorro do Município de Coruche, que efectuava o pagamento dos serviços efectuados pelos bombeiros em regime de voluntariado na corporação.

Sabe o Notícias do Sorraia, que além desta investigação agora realizada pela Polícia Judiciária, também o Tribunal de Contas tem em curso uma investigação sobre o mesmo tema, iniciada após denúncias anónimas que terão sido efectuadas no mês de Agosto passado.

Saliente-se que após Setembro de 2019, quando o Tribunal de Contas solicitou a primeira documentação ao município, apenas os Bombeiros Municipais, dos quadros de pessoal da Câmara Municipal, agora equiparados ao regime de Sapadores, têm realizado trabalho na corporação, que não conta no momento com o trabalho dos voluntários, até que as autoridades se pronunciem sobre a forma legal de pagamento das horas efectuadas em regime de voluntariado.

O Notícias do Sorraia contactou o Presidente do Município de Coruche, Francisco Oliveira, que nos referiu que esta é uma situação que encara com normalidade, pois sabendo das denúncias que existem, não só junto do Tribunal de Contas e Polícia Judiciária, mas também na Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) e Autoridade Tributária (AT), são acções inspectivas normais, realizadas pelo Ministério Público, neste caso através da Polícia Judiciária, que procuraram sobretudo os documentos que demonstram as transferências de verbas para pagamento dos serviços de voluntariado gratificado aos bombeiros em regime voluntário.

Francisco Oliveira salientou ainda, que os pagamentos efectuados até Setembro de 2019 estavam sustentados num protocolo estabelecido com a Associação dos Amigos do Ambiente, Protecção Civil e Socorro do Município de Coruche (Associação Humanitária), que em 2009 havia sido inspecionado e obtido parecer positivo da Inspecção-geral da Administração Local (IGAL), facto que leva agora o município a encarar com tranquilidade e serenidade todo o desenrolar deste processo sustentado em denúncias anónimas.