Presidente da EDP admite descida do preço da electricidade “de forma sustentada”

Presidente da EDP admite descida do preço da electricidade “de forma sustentada”

27 Abril 2020, 19:18 Não Por Redacção

O presidente executivo da EDP, António Mexia, admitiu hoje uma descida do preço da electricidade, “de forma sustentada”, tendo em conta a descida do preço do petróleo e o aumento do peso das renováveis.

O gestor, que falou depois de uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, indicou que “o preço da energia é ditado no mercado em concorrência” e que a eléctrica fará o que for necessário “para ser competitiva”.

“Estruturalmente havia já um impacto positivo das renováveis e temos esta descida histórica do petróleo. Os dois elementos contribuirão de certeza para uma descida do preço da energia a prazo de uma forma sustentada”, assegurou.

Mexia adiantou que a audiência com o Presidente da República serviu para falar do “passado recente” e do que foi feito no sector para combater o impacto da pandemia da covid-19, mas sobretudo sobre “a oportunidade única que Portugal tem para repensar o futuro”.

“Ainda na semana passada dissemos que mantínhamos o investimento, as contratações e compromissos com a cadeia de valor”, recordou Mexia.

Quanto ao ataque informático à EDP, Mexia “garantiu o funcionamento do sistema eléctrico sem descurar a protecção a 100%” e assegurou que “não houve acesso a dados privilegiados e o que existe são informações muito genéricas” e que não afectam os clientes.

O presidente da EDP assegurou ainda que nunca foi recebido um pedido de resgate “formal” e que nunca foi pago “nem seria” qualquer valor.

Questionado sobre as medidas que têm sido implementadas, Mexia disse que “Portugal reagiu bem”, mas que é essencial que a liquidez chegue rapidamente “aos sítios certos”.

No dia 16 de Abril, o presidente da EDP lembrou que – na mesma linha de compromisso com todos os actores do seu negócio – a empresa antecipou o pagamento a fornecedores, sobretudo pequenas e médias empresas, antecipou o subsídio de férias aos trabalhadores e permitiu a flexibilização do pagamento aos seus clientes afectados pela pandemia covid-19.

A EDP mantém ainda o plano de contratação de 700 trabalhadores em 2020, dos quais metade em Portugal, e o plano de investimentos de 9.000 milhões de euros até 2022.

Os accionistas da EDP aprovaram nesse dia a proposta do Conselho de Administração de distribuição de 694,74 milhões de euros em dividendos relativos a 2019, ano em que a eléctrica teve lucros consolidados de 512 milhões de euros.

Com Agência Lusa